César Belo pula de advogado pra jornalista. Qual o motivo?

Por Luís Pablo Cidade
 

O hoje blogueiro César Belo era há bem pouco tempo advogado. Perdia causa dos seus clientes favorecendo os que estavam contra seus constituintes.

Foi advertido por diversas vezes pelo Conselho de Ética da seccional da OAB local. E quem disse que se emendou! Continuou na batalha dupla, servindo a Deus e ao diabo.

Por último, jogou toda sua “sabedoria” para o jornalismo, imaginando que aqui pode ganhar mais ou talvez notoriedade.

Mas ainda continuo intrigado com o pulo do blogueiro. O que terá acontecido? Belo ficou feio aos olhos da OAB e dos colegas advogados? Foi afastado do exercício da profissão que tanto abraçou? Talvez nem Deus saiba. Só o demo deve saber.

Gastão Vieira também manda João Castelo acordar

Por Luís Pablo Política
 

Agora quem mandou o prefeito de São Luis, João Castelo, acordar, foi o deputado federal, Gastão Vieira (PMDB). O parlamentar em sua página de relacionamento via Facebook, disse que dentro do memorial da praça Maria Aragão, virou um ponto de vendas de carros.

A praça é um espaço que deveria ser utilizado para ações culturais, pessoas que frequentam a Maria Aragão estão reclamando que o local está tomado por carros. A verdade é que a praça está servindo como pátio de concessionária da Chevrolet, dos proprietários da DALCAR .

Na semana passada quem mandou o prefeito também acordar, foi o secretário de Saúde, Ricardo Murad, no seu Facebook, por se assustar com a cena que presenciou na avenida dos Holandes. Após o secretário ter publicado, o titular deste blog através dos leitores, resolveu iniciar a campanha “ACORDA CASTELO”.

A campanha está se fortalecendo, tem dado segmento para o povo abrir os olhos nas próximas eleições.

Veja como cada deputado do MA votou sobre mínimo de R$ 560

Por Luís Pablo Política
 

Alberto Filho (PMDB) – Não

Carlos Brandão (PSDB) – Sim

Cleber Verde (PRB) – Não

Domingos Dutra (PT) – Não

Edivaldo Holanda Junior (PTC) – Não

Gastão Vieira (PMDB) – Não

Hélio Santos (PSDB) – Sim

Luciano Moreira (PMDB) – Não

Lourival Mendes (PTdoB) – Não

Pedro Fernandes (PTB) – Não

Pinto Itamaraty (PSDB) – Sim

Professor Setimo (PMDB) – Não

Ribamar Alves (PSB) – Não

Sarney Filho (PV) – Abstenção

Waldir Maranhão (PP) – Não

Zé Vieira (PR) – Não

Brasileiros têm mais dinheiro na Suíça do que chineses

Por Luís Pablo Brasil
 

Brasileiros contam com uma fortuna depositada nos bancos suíços e, apesar de toda a operação conduzida pela Polícia Federal contra doleiros e bancos estrangeiros, a corrida por paraísos fiscais ganha um ritmo sem precedentes. Dados do Banco Central da Suíça, obtidos pelo ‘Estado’, revelam que os brasileiros mantêm ao menos US$ 6 bilhões em Genebra, Zurique e outras praças financeiras da Suíça.

Esse seria o valor oficial de contas declaradas, mas os bancos privados suíços consideram que o valor real pode ser dez vezes maior. Ex-funcionários de bancos na Suíça e agentes que trabalham na abertura de contas alertam que esse valor oficial é “a ponta do iceberg”.

O volume de dinheiro de brasileiros na Suíça vem crescendo. Entre 2005 e 2009, o BC suíço aponta a entrada de mais US$ 1,1 bilhão do Brasil. Segundo dados oficiais, nenhum outro país emergente registrou tal avanço e a expansão é a maior registrada de dinheiro vindo do Brasil.

O total da fortuna mantida por brasileiros na Suíça já é superior aos de China, Índia e Arábia Saudita. A Suíça estima que tem, em seus cofres, US$ 3 trilhões em fortunas pessoais. O valor seria quase metade da fortuna privada do planeta.

Os 85 bancos suíços que fazem parte do cálculo indicam em seus balanços que os brasileiros teriam 4,9 bilhões de francos suíços (um franco vale um dólar) em contas de poupança, ativos, ações, títulos e contas correntes.

Além desse valor, 1,1 bilhão de francos suíços provenientes do Brasil estão listados como “operações fiduciárias”. Nessa classificação, o banco não tem obrigação de apresentar os números em seus balanços e todo o risco fica por conta do banco privado (o BC suíço não dá garantias em caso de quebra do banco privado). Na maioria dos casos, é nessa classificação que recursos considerados ‘sensíveis’ ou de personalidades políticas estrangeiras são depositados.

Assim como a existência de “operações fiduciárias”, os bancos suíços contam com uma série de outros instrumentos para tornar menos transparente a origem de recursos. Nos US$ 6 bilhões indicados na Suíça como sendo de brasileiros está exclusivamente o dinheiro que saiu do Brasil em direção aos bancos de Genebra e Zurique.

Se uma fortuna é transferida do Brasil para as Ilhas Cayman e só depois para a Suíça, ela não é contabilizada como fluxo que veio do Brasil, e sim da ilha caribenha. Não é por acaso que bancos suíços mantêm filiais nesses outros paraísos fiscais.

Portanto, o volume registrado pelo BC suíço de US$ 6 bilhões oriundos do Brasil poderia ser apenas uma fatia do todo, segundo fontes do setor bancário.

Políticos – Outro método adotado é a manipulação do cargo da pessoa que queira abrir a conta, garantindo que a autorização para o depósito seja dada sem problemas. Um ex-colaborador de um banco suíço com forte presença no Brasil revelou ao Estado, sob anonimato, que essa foi a forma usada para abrir uma conta em nome de um ex-governador de um grande Estado.

No formulário para abertura de contas, o banco exige que o cliente considerado como “sensível” por seu cargo político preencha um formulário e é logo classificado como “Pessoa Politicamente Exposta”.

A lei exige que se demonstre que os recursos têm origem em outra atividade que não a política. No caso do ex-governador, o banco e o político entraram em acordo para que fosse apresentado como presidente de uma empresa de reflorestamento, sem mencionar sua posição pública.

HUMOR: Galvão Bueno é internado com depressão pós-Ronaldo

Por Luís Pablo Esporte
 

O locutor Galvão Bueno foi internado no Hospital Psiquiátrico de Monte Carlo com sintomas de depressão profunda (Clique na imagem para ampliar). “Ele não conseguia pronunciar uma palavra inteira, apenas balbuciava um “R” frenético com a língua nos dentes enquanto chorava copiosamente”, explicou o médico Zinedine Faustine Bouganville. Trata-se de um quadro dramááááááááático”.

Torcedores foram até a porta do Hospital manifestar seu carinho por Galvão Bueno

Após realizar duas tomografias, testes de contraste e um exame do pezinho, Zinedine diagnosticou uma abstinência crônica por “erres” na seleção. “Agora é a vez de Neymar, Alexandre Pato, Hulk e companhia. E o Robinho não marca pela seleção há séculos. Com a aposentadoria de Ronaldo, ficou cada vez mais difícil um jogador com “R” marcar gol pelo Brasil”.

Amigos próximos entraram em estado de alerta. “A regra é clara: o Galvão nunca fica mais de 10 minutos sem pronunciar uma palavra”, declarou Arnaldo Cesar Coelho, que foi à Mônaco para tentar animar o COLEGA. Rubens Barrichelo chegou depois.

Esclarecimento da Secretaria de Segurança Pública sobre o dinheiro desaparecido do Funpen

Por Luís Pablo Polícia / Política
 

Na íntegra:

NOTA DE ESCLARECIMENTO – SSP

A Secretaria de Segurança Pública (SSP) esclarece que tomou todas as providências e está apurando a responsabilidade pelo sumiço de aproximadamente R$ 30 mil que estariam guardados no cofre do setor do Fundo Penitenciário (Funpen), da Secretaria Adjunta de Administração Penitenciária, instalada no segundo andar do prédio da SSP.

O secretário de Segurança Pública, Aluísio Mendes, imediatamente após ter tomado conhecimento do fato, na última quarta-feira (16), determinou total rigor nas investigações. Foram instaurados dois inquéritos, um administrativo e outro criminal.

No âmbito policial, o caso está sendo presidido pela Delegacia de Roubos e Furtos (DRF), sob a coordenação do delegado Ronilson Moura. A Polícia Civil não descarta nenhuma linha de investigação e trabalha com as hipóteses de furto ou apropriação indébita.

A DRF já está tomando os depoimentos dos servidores que trabalham no setor. A perícia já foi feita no local pelo Instituto de Criminalística do Maranhão (Icrim) e ficou constatado no laudo que não houve violação nem da sala e nem do cofre onde estava guardado o dinheiro.

(in)Segurança Pública: desaparece dinheiro do Fundo Penitenciário dentro da Secretaria

Por Luís Pablo Polícia / Política
 

A informação do desaparecimento de R$ 30 mil de dentro da Secretaria de Segurança Pública, onde ainda funciona as dependências do Fundo Penitenciário, numa sala, foi dada em primeira-mão hoje no programa “Abrindo Verbo”, na rádio Mirante AM, pelo radialista Marciel Lima.

O sumiço dos recursos públicos, que serviria para pagamento de presos que cumprem pena trabalhando, foi percebido no dia 15 deste. De acordo com a Secretaria, a chave que dá acesso ao cofre é a mesma que abre a porta da sala.

Segundo a funcionária que é encarregada de guardar os recursos, que teria duas cópias da chave, só que uma delas sumiu, sem que esta notasse.

A funcionária afirmou ter encontrado o cofre completamente vazio, e sem nenhum sinal de arrombamento.

O blog aguarda a nota da Secretaria de Segurança, com a carteira bem guardada.